29 de novembro de 2007

Leve o Riso para a sua Empresa

Comicidade e Riso no Treinamento de Pessoal

- O Riso Como Forma de Comunicação -


Proposta de Aula Espetáculo, sobre os procedimentos que geram o prazer cômico - o Riso, com o propósito de gerar experiências práticas para serem usadas no dia-a-dia.

No mundo de hoje, as pessoas têm assumido responsabilidades em demasia,causando uma tensão muitas vezes desnecessária. Dada à velocidade com que as informações circulam o homem não vive mais, apenas, com seus problemas, mas com problemas de todo um planeta que, na maioria das vezes, está longe de alcançar suas soluções. Isto lhe dá a sensação de que seus esforços são sempre inúteis.

Nas empresas modernas, onde são seguidos modelos de trabalho socialmente responsável, comprometidos com o desenvolvimento humano e o crescimento pessoal e profissional de seus funcionários, a arte passou a ser um instrumento novo para estimular o espírito solidário e participativo dos líderes e equipes de trabalho, resultando, sempre, numa maior e melhor produtividade.

Muitos estudos têm sido realizados sobre o Riso no decorrer da história, filósofos, historiadores, psicólogos, artistas se debruçaram sobre este tema. Não é difícil escolher um título nas estantes de uma livraria, tamanha a oferta sobre o assunto. Fala-se a todo canto da importância do Riso na vida cotidiana, mas muito pouco tem se falado sobre como fazer Rir. Esta é a proposta desta aula espetáculo: revelar procedimentos e condutas que favoreçam o surgimento do riso e a sua utilização na comunicação cotidiana.

Essa pesquisa foi originalmente desenvolvida no curso de Mestrado do Departamento de Artes da Universidade de Brasília, sobre os procedimentos e condutas utilizados na construção do riso, com o propósito de ajudar o ator a entender a construção do cômico nas artes dos espetáculos. É essa pesquisa que agora está sendo disponibilizada em forma de Aula Espetáculo dirigida às pessoas que queiram conhecer os fundamentos do Riso.

O uso dos princípios geradores do prazer cômico – o Riso - tem se mostrado cada vez mais eficientes na comunicação pessoal.

A base teórica dessa pesquisa encontra fundamentos nas teorias freudianas, estudos contemporâneos da psicanálise sobre o funcionamento da mente humana, teorias da recepção, estudos sobre a história do riso e das experiências acumuladas pelo artista/pesquisador Zé Regino, nos últimos anos de trabalho, tanto com alunos em sala de aula, como na construção de seus próprios espetáculos ou dos espetáculos do grupo Celeiro das Antas Companhia do Riso, fundado por ele na primavera de 1991.

O Riso estimula o raciocínio, o relaxamento e a possibilidade de buscar novas soluções para velhos problemas. Como bem definiu Kant [1], trata-se de um "jogo de forças vitais" que elimina qualquer emoção negativa e a torna impossível, apaga a cólera e a ira, vence a perturbação e eleva as forças vitais, o desejo de viver e de tomar parte na vida.


Objetivos:

Promover o conhecimento de procedimentos e condutas que envolvem a construção do prazer cômico nas relações cotidianas, com o propósito de serem utilizados no dia a dia, favorecendo a relação pessoal, criando ambientes saudáveis e gerando integração de grupos de trabalho.


Conteúdo


A história do riso:

O riso no decorrer da História.

As diferentes teorias do Riso.


Como funciona o riso na mente humana:

Freud e a teoria do prazer e da economia da energia psíquica.

Do Chiste ao humor passando pelo cômico.

O riso como efeito – o riso como ele é feito.


O riso e seus benefícios físicos:

Os mecanismos físicos do riso.

O riso como ginástica interna.

O riso é contagiante.

O riso como forma de construir um ambiente favorável.


O riso na prática ou a prática do riso:

Entendendo a estrutura de uma anedota cômica (piada).

Praticando a construção do efeito cômico.

A comunicação verbal e a não verbal no dia a dia.

O tema do dia:

Deverá ser definido um tema transversal a ser abordado na Aula Espetáculo. O tema será utilizado dentro dos exemplos a serem usados no decorrer da aula e no quadro final onde é apresentada uma clássica cena cômica pelo palestrante com participação direta da platéia.

Atualmente o tema abordado na Aula Espetáculo é o Poder Nas Relações Pessoais.

Duração:

O tempo estimado é de 70 a 120 min, dependendo da quantidade de itens do conteúdo a serem abordados.


Número de participantes:

Máximo de 300 pessoas por aula.


Espaço físico:

Auditório ou sala ampla, onde as pessoas fiquem bem acomodadas e com privacidade.


Material necessário:

Um aparelho de CD Player, projetor multimídia, microfone auricular (dependendo do tamanho da sala e da quantidade de pessoas) e um microfone de mão sem fio, água fresca para beber e um grupo de pessoas disponíveis a se conhecerem através do que possuem de risível e a se divertirem enquanto se conhecem um pouco mais.


Para contratar essa palestra ou obter mais informações, fale com:

Zé Regino: (61) 3201.3260 – 8137.9938

jreioliveira@terra.com.br

Magê: (61) 3354.1751 – 9988.2399

mage.1@terra.com.br

___________________

[1] Emanuel Kant (1724 a 1804) filosofo alemão, geralmente considerado como o último grande filósofo dos princípios da era moderna, um representante do Iluminismo, indiscutivelmente um dos seus pensadores mais influentes.

27 de novembro de 2007

Espetáculo em repertório: A História do Balão Vermelho

O espetáculo conta a aventura de um Balão Vermelho inseguro e inquieto que desconhece que pode voar. Com toda sua pureza e ingenuidade, parte em busca da realização de um sonho e faz com que sua própria história aconteça.

O ator Zé Regino viaja com a platéia para o mundo da fantasia e narra como, em sua aventura, o Balão Vermelho vai desvendando os segredos da vida, compreendendo seus limites, superando-os, aprendendo a lidar com seus medos, crescendo e tornando-se forte, para alcançar, enfim, a necessária segurança que o torna capaz de alçar vôo e partir para a plenitude do céu, para o infinito da vida e do tempo de ser feliz.

A primeira montagem de “A História do Balão Vermelho, em 1991, deu origem ao grupoCeleiro das Antas Companhia do Riso, desde então foram várias temporadas e inúmeras apresentaçõesem várias cidades do Brasil. O espetáculo passou por diferentes montagens até chegar à sua versão atual.


FICHA TÉCNICA

Texto: Elizete Gomes

Concepção e atuação: Regino

Trilha Sonora: Pedro Gabriel e Laura Cavalheiro

Iluminação e Cenografia: Regino

Figurinos: Regino e Laura Cavalheiro

Operação luz e som: Pedro Gabriel

Produção: Magê

Realização: Celeiro das Antas Companhia do Riso

Contatos:

Zé Regino:
(61) 3201.3260 – 8137.9938

jreioliveira@terra.com.br

Magê:
(61) 3354.1751 – 9988.2399

mage.1@terra.com.br











Fotos Daniel Pedrecal

Espetáculo em Repertório - Saída de Emergência


Não é ficção.

É a mais pura realidade.

O ridículo, a capacidade de tomar o imaginário como real e a delicadeza humana, escondidos no cotidiano, revela-se nesta viagem em que todos - artista e platéia - têm permissão para ser “paspalhos” e desvelar a própria vulnerabilidade.

O palhaço Zambelê é um provocador de sensações, instintos e emoções.

Na tentativa de se parecer com os outros, ser aceito e amado, este sujeito desajeitado e atrapalhado, inábil para realizar as tarefas mais simples, sempre encontra uma saída que nos faz rir de nossas próprias debilidades, da identificação com seus comportamentos inusitados e da constatação do ridículo a que somos capazes de chegar para “ser alguém” na sociedade.

O público não é mero espectador.

Arrebatado pela surpresa, pela ousadia e pela irreverência, é convidado para um passeio do extremo da ingenuidade ao mais ousado dos comportamentos humanos.

“Saída de Emergência” é uma síntese de 13 anos de estudos e experimentações que resultaram num trabalho em que o riso não é fruto do preconceito – ao contrário, nasce dos sentimentos e das emoções geradas pela identificação e pela aceitação.

Para uma platéia adulta, inteligente e capaz de se repensar, o espetáculo é um convite ao exorcismo do “sem sentido” do ridículo que cada um de nós encontra em si mesmo...

FICHA TÉCNICA

Concepção e atuação: Regino

Sonoplastia: Pedro Gabriel e João Filho

Iluminação e Cenografia: Zé Regino

Figurinos: Laura Cavalheiro e Zé Regino

Operação de som: Pedro Gabriel

Produção: Magê

Realização: Celeiro das Antas Companhia do Riso

Obs.: O espetáculo tanto pode ser apresentado em teatros como em lugares alternativos.

Contatos

Regino: (61) 3201.3260 – 8137.9938

jreioliveira@terra.com.br

Magê: (61) 3354.1751 – 9988.2399

mage.1@terra.com.br







Fotos Telmo Ximenes

Da Pulcinella ai Clown di Zé Regino

Palhaços Inquietos

Parceria com La Casa Incierta

O Artífice da Bobagem

Ninhada de Palhaços

Fama de Palhaço

Currículo

JOSÉ REGINO DE OLIVEIRA

José Regino de Oliveira, é: Palhaço, Arte Educador, Bonequeiro, Diretor e Ator de Teatro, Cenógrafo e Figurinista, graduado pela Fundação Brasileira de Teatro e Mestre em Arte em Processos Composicionais Para a Cena pela Universidade de Brasília (UnB), concluído com a dissertação “A Dramaturgia da Atuação Cômica - O Desempenho do Ator na Construção do Riso”. Em Brasília fundou o Grupo de Teatro Celeiro das Antas, foi professor de Direção Teatral no Departamento de Artes Cênicas da UnB, consultor técnico em Arte Educação da UNESCO atuando no Ministério do Meio Ambiente. Participou com seus trabalhos de festivais em vários estados do Brasil, Espanha, EUA, Portugal, Itália, Alemanha e Malta. Na sua formação de palhaço foi aluno de Carlos Tamanini.

A título de atualização, tem participado de cursos oferecidos por nomes como: dança: Graziela Rodrigues; Teatro: Eugênio Barba, Julia Varley, Antunes Filho, Luiz Carlos Vasconcelos, Roberto Mallet, Luiz Fugante; Palhaços: Avner Eisenberg, Hilary Chaplain, Leo Bassi, Leris Colombaioni, Grupo Lume, Márcio Libar e Ésio Magalhães; Bufão com Daniela Carmona.

Trabalhou na cidade de Berlim na Alemanha a convite da Companhia Working Party, dirigindo e roteirizando os novos espetáculos cômicos da Companhia. Atualmente em Brasília dirigi e roteiriza o novo espetáculo Columpio da companhia Circo Rebote e está em cartaz com Alma de Peixe - Teatro para Bebês, primeira montagem do Núcleo de Pesquisa em Arte para Bebês do Celeiro das Antas, assinando roteiro, direção, cenário, figurinos e bonecos.