20 de junho de 2008

A Dramaturgia de Uma Encenação Cômica

A oficina “A Dramaturgia de uma Encenação Cômica – O desempenho do ator na construção do Riso” é dirigida a atores que desejam conhecer ou ampliar seus conhecimentos na arte de fazer rir.

Proposta de Oficina

A DRAMATURGIA DE UMA ENCENAÇÃO CÔMICA
O desempenho do ator na construção do Riso


APRESENTAÇÃO

Muitos estudos têm sido realizados sobre o Riso no decorrer da história, filósofos, historiadores, psicólogos, artistas se debruçaram sobre esse tema. Não é difícil escolher um título nas estantes de uma livraria, tamanha a oferta sobre o assunto. Fala-se a todo canto da importância do Riso na vida cotidiana, mas muito pouco tem se falado sobre como fazer Rir. Esta foi a minha proposta de pesquisa para o curso de Mestrado do Departamento de Artes da Universidade de Brasília, pesquisar sobre os procedimentos e condutas que possam ajudar o ator a entender melhor a construção do cômico nas artes dos espetáculos, e é esta pesquisa que estou disponibilizando em forma de oficina.

Quando essa oficina foi ministrada na cidade de Berlin na Alemanha nos anos de 2007 e 8, para um grupo de atores formados em diferentes escolas de teatro, a avaliação feita pelos alunos qualificou o conteúdo da oficina como altamente elucidativo no que diz respeito aos processos da construção do cômico e a eficiência da sua aplicação.

OBJETIVOS

Trabalhar com atores que queiram conhecer as especificidades da atuação cômica e com atores que desejam ampliar seu repertório de técnicas cômicas, compreendendo o mecanismo do cômico e as suas diferentes possibilidades de utilização.

CONTEÚDO

Método das Ações físicas na construção da personagem cômico.
Espécies do cômico definidos por Freud e seus diferentes funcionamentos na mente humana.
Os diferentes conceitos sobre o riso, alguns equívocos e grandes acertos.
Ambientes favoráveis e desfavoráveis para a construção do cômico.
Técnicas de improvisação.
A realidade como referência na construção cômica.

METODOLOGIA

Aulas práticas e teóricas constando de: trabalhos corporais, auto observação, jogos e técnicas de improvisação, construção de cenas a partir de textos e situações dramáticas.

CARGA HORÁRIA
Mínima de 20 h/a

NÚMERO DE VAGAS
20 alunos por turma.

PÚBLICO ALVO

Grupos de teatro e dança profissionais ou amadores, diretores, dramaturgos, coreógrafos etc. Pessoas que tenham interesse em conhecer um pouco mais sobre a arte de fazer Rir.

PRÉ-REQUISITO
Ter no mínimo 15 anos de idade e ter participado de pelo menos uma montagem teatral.

ESPAÇO FÍSICO NECESSÁRIO

Sala ampla e livre, onde os alunos possam circular com liberdade de espaço e que resguarde a privacidade do grupo.

MATERIAL NECESSÁRIO

Aparelho de som com CD.
Água para beber.
Cópias xérox, em média de três por pessoa.

Obs.: Os alunos devem comparecer vestidos com roupas adequadas para o trabalho físico.

OFICINEIRO

José Regino de Oliveira, é: Palhaço, Arte Educador, Diretor e Ator de Teatro, Cenógrafo e Figurinista, graduado pela Fundação Brasileira de Teatro e Mestre em Arte em Processos Composicionais Para a Cena pela Universidade de Brasília (UnB), concluído com a dissertação “A Dramaturgia da Atuação Cômica - O Desempenho do Ator na Construção do Riso”. Em Brasília fundou o Grupo de Teatro Celeiro das Antas, foi professor de Direção Teatral no Departamento de Artes Cênicas da UnB, consultor técnico em Arte Educação da UNESCO atuando no Ministério do Meio Ambiente. Participou com seus trabalhos de festivais em vários estados do Brasil, Espanha, EUA, Portugal, Itália, Alemanha e Malta. Na sua formação de palhaço foi aluno de Carlos Tamanini.

A título de atualização, tem participado de cursos oferecidos por nomes como: dança: Graziela Rodrigues; Teatro: Eugênio Barba, Julia Varley, Antunes Filho, Luiz Carlos Vasconcelos, Roberto Mallet, Luiz Fugante; Palhaços: Hilary Chaplain, Leo Bassi, Leris Colombaioni, Grupo Lume, Márcio Libar e Ésio Magalhães; Bufão com Daniela Carmona.

Trabalhou na cidade de Berlim na Alemanha a convite da Companhia Working Party, dirigindo, roteirizando e atuando nos novos espetáculos cômicos da Companhia. Atualmente em Brasília dirigi e roteiriza o novo espetáculo Columpio da companhia Circo Rebote e está em cartaz com Alma de Peixe - Teatro para Bebês, primeira montagem do Núcleo de Pesquisa em Arte para Bebês do Celeiro das Antas, assinando roteiro, direção, cenário, figurinos e bonecos.

VER E ESCREVER COMENTÁRIO

Iniciando na Arte do Palhaço

A oficina “Iniciando na Arte do Palhaço” é dirigida às pessoas que desejam conhecer e trabalhar com a arte do Palhaço, ou artistas cênicos que queiram ampliar suas possibilidades técnicas. Não é necessário ter iniciação em teatro.

Proposta de Oficina

INICIANDO NA ARTE DO PALHAÇO
A Busca de um Caminho Pessoal para a Construção do Riso


APRESENTAÇÃO

O Palhaço como conhecemos hoje, surge no circo no século XIX, com a função de divertir o público fazendo rir das atrapalhadas e estúpidas ações humanas. Com a falência de muitas companhias circenses na primeira metade do século XX, muitos artistas foram obrigados a buscar novos espaços de trabalho, alguns migraram para teatros e casas de espetáculos de variedades, desassociando a figura do palhaço do seu espaço de origem. Muitos artistas alcançaram grande destaque como solistas cômicos, lançando ao grande público uma nova forma de olhar a arte do Palhaço.

Na segunda metade do século XX muitos artistas viram nestes grandes mestres um caminho para a construção de trabalhos independentes, estudos foram iniciados com o objetivo de codificar técnicas e procedimentos usados por estes mestres da arte cômica; dando início aos cursos de formação de Palhaços. Algumas dessas escolas trazem como proposta a construção do Palhaço a partir das experiências e características pessoais.

O Palhaço se constrói a partir das falhas, dos vícios e defeitos de cada um. O Palhaço existe independente de uma dramaturgia específica, Palhaço não é personagem de teatro, é uma forma de brincar. Para que ele surja na cena basta apenas a vontade de quem o brinca e de pelo menos um curioso a ver de que se trata essa brincadeira.

OBJETIVOS

Esta oficina se propõe a trabalhar com pessoas que queiram si conhecer, ou aprofundar o olhar sobre si, lançando mão do seus defeitos e características pessoais como matéria prima para começar a construção do seu Palhaço, iniciando assim um caminho pessoal de possibilidades para divertir e fazer rir as outras pessoas e a si mesmo.

CONTEÚDO

Método das Ações físicas na construção da personagem cômica individual.
Experiências pessoais como referência na construção cômica.
Aprendendo com o seu próprio corpo.
O corpo como forma de comunicação.
Comunicação não verbal.
Espécies do cômico e seus diferentes funcionamentos na mente humana, caricaturas e paródias.
Técnicas de improvisação.
Histórias de Palhaços e histórias a fins.
Os diferentes conceitos sobre o riso, alguns equívocos e grandes acertos.
Ambientes favoráveis e desfavoráveis para a construção do cômico.

METODOLOGIA

Aulas práticas constando de: trabalhos corporais, auto observação, jogos e técnicas de improvisações. O conteúdo teórico é durante as práticas.

CARGA HORÁRIA
Mínima de 40 h/a.

NÚMERO DE VAGAS
12 alunos por turma.

PÚBLICO ALVO

Pessoas dispostas a si conhecerem um pouco mais, atores, bailarinos, diretores, professores, médicos, etc e tal.

PRÉ-REQUISITO
Ter no mínimo 16 anos de idade.

ESPAÇO FÍSICO NECESSÁRIO

Sala ampla e livre, onde os alunos possam circular com liberdade de espaço e que resguarde a privacidade do grupo.

MATERIAL NECESSÁRIO

Aparelho de som com CD player.
Água para beber.
Roupas e acessórios diversos (chapéus, lenços, perucas, sapatos, etc.) que possam ser disponibilizados para o uso comum. Essas roupas e acessórios podem ser levados pelos participantes. Ao final as pessoas terão seus objetos e roupas devolvidas ou trocadas entre os participantes, caso seja de sua vontade.

Dica: em geral no fundo do guarda-roupa sempre se encontram ótimas peças que já estão fora de uso, esse pode ser um bom momento para se desfazer delas.

Obs: Os alunos deverão comparecer vestidos com roupas adequadas para o trabalho físico.

OFICINEIRO

José Regino de Oliveira, é: Palhaço, Arte Educador, Diretor e Ator de Teatro, Cenógrafo e Figurinista, graduado pela Fundação Brasileira de Teatro e Mestre em Arte em Processos Composicionais Para a Cena pela Universidade de Brasília (UnB), concluído com a dissertação “A Dramaturgia da Atuação Cômica - O Desempenho do Ator na Construção do Riso”. Em Brasília fundou o Grupo de Teatro Celeiro das Antas, foi professor de Direção Teatral no Departamento de Artes Cênicas da UnB, consultor técnico em Arte Educação da UNESCO atuando no Ministério do Meio Ambiente. Participou com seus trabalhos de festivais em vários estados do Brasil, Espanha, EUA, Portugal, Itália, Alemanha e Malta. Na sua formação de palhaço foi aluno de Carlos Tamanini.

A título de atualização, tem participado de cursos oferecidos por nomes como: dança: Graziela Rodrigues; Teatro: Eugênio Barba, Julia Varley, Antunes Filho, Luiz Carlos Vasconcelos, Roberto Mallet, Luiz Fugante; Palhaços: Hilary Chaplain, Leo Bassi, Leris Colombaioni, Grupo Lume, Márcio Libar e Ésio Magalhães; Bufão com Daniela Carmona.

Trabalhou na cidade de Berlim na Alemanha a convite da Companhia Working Party, dirigindo, roteirizando e atuando nos novos espetáculos cômicos da Companhia. Atualmente em Brasília dirigi e roteiriza o novo espetáculo Columpio da companhia Circo Rebote e está em cartaz com Alma de Peixe - Teatro para Bebês, primeira montagem do Núcleo de Pesquisa em Arte para Bebês do Celeiro das Antas, assinando roteiro, direção, cenário, figurinos e bonecos.


VER E ESCREVER COMENTÁRIO