29 de setembro de 2008

Criação de Números Cômicos

A oficina de ”Criação de Números Cômicos“ é dirigida aos artistas que trabalham com a nobre arte do Riso, em especial Palhaços e Comediantes.

Proposta de Oficina

“CRIAÇÃO DE NÚMEROS CÔMICOS”
Procedimentos e Condutas para a Construção do Riso

APRESENTAÇÃO

Muitos estudos têm sido realizados sobre o Riso no decorrer da história. Fala-se a todo canto da importância do Riso na vida cotidiana, mas muito pouco tem se falado sobre como fazer Rir.

O princípio da arte do Riso não está no que se diz, mas no como se diz. Todo artista trabalha, acima de tudo, com a sua percepção, quando a atinge verdadeiramente, a arte torna-se provocadora, transformadora, e uma vez que ele encontra no inconsciente não apenas sua individualidade, mas também os elos que o une aos outros, é aí que se encontra o ponto de partida e, paradoxalmente, o ponto de chegada da Arte do Riso.

Para que o Riso ocorra, há que se estabelecer entre artista e platéia uma relação de cumplicidade. O público somente chega ao estado permissivo em que libera este seu universo interior das barreiras que o protegem em forma de Riso, no momento em que percebe que o artista também o fez e descobre-se capaz de se libertar das restrições que a sociedade impõe aos nossos sentimentos e emoções.

Esta oficina tem como base teórica os conceitos de Freud sobre as Espécies do cômico e as teorias sobre as Ações Físicas de Stanislavski, transpostas para a construção de ações cômicas. Resultado do projeto de mestrado desenvolvido por José Regino na Universidade de Brasília e as vivências dos artistas do Grupo de Teatro Celeiro das Antas junto aos mestres da Arte do Riso e suas experiências adquiridas nas diferentes montagens de espetáculos cômicos.

OBJETIVOS

Esta oficina se propõe a trabalhar com artistas que queiram adquirir técnicas, ou aprofundar suas experiências com os procedimentos e condutas utilizadas na construção de números e cenas cômicas, dando início à um processo que pode vir a gerar um caminho mais consciente e autônomo para um melhor desempenho na arte de fazer Rir.

CONTEÚDO

Método das Ações físicas na construção do cômico.
Espécies do cômico e seus diferentes funcionamentos na mente humana.
Diferentes conceitos sobre o riso, alguns equívocos e grandes acertos.
Ambientes favoráveis e desfavoráveis para a construção do cômico.
Humor físico e humor verbal.
Técnicas de improvisação com objetos, em dupla e em trio.
O tradicional jogo entre Branco e Augusto.
A diferença entre cena, número e jogo.
O trabalho com as habilidades excêntricas.
A realidade como referência na construção cômica.

METODOLOGIA

Aulas práticas-teóricas constando de: trabalhos corporais, neutralidade dinâmica como forma de ampliar a consciência corporal, jogos e técnicas de improvisação para desenvolvimentos de uma idéia cômica, construídas a partir de situações dramáticas e de jogos de relações com objetos e com o parceiro de cena.

CARGA HORÁRIA
De 32 h/a.

NÚMERO DE VAGAS
Até 16 alunos por turma.

PÚBLICO ALVO

Pessoas que tenham iniciação na arte de fazer rir, palhaços, atores cômicos, comediantes e diretores de teatro.

PRÉ-REQUISITO

Ter no mínimo 16 anos de idade, e ter participado de pelo menos uma montagem de espetáculo cômico.

ESPAÇO FÍSICO NECESSÁRIO

Sala ampla e livre, onde os alunos possam circular com liberdade de espaço e que resguarde a privacidade do grupo.

MATERIAL NECESSÁRIO

Aparelho de som com CD.
Água para beber.

Obs: Os alunos devem comparecer vestidos com roupas adequadas para o trabalho físico e portando os seus objetos de trabalho e figurinos que por ventura já utilizam em seus trabalhos.

OFICINEIRO

José Regino de Oliveira, é: Palhaço, Arte Educador, Diretor e Ator de Teatro, Cenógrafo e Figurinista, graduado pela Fundação Brasileira de Teatro e Mestre em Arte em Processos Composicionais Para a Cena pela Universidade de Brasília (UnB), concluído com a dissertação “A Dramaturgia da Atuação Cômica - O Desempenho do Ator na Construção do Riso”. Em Brasília fundou o Grupo de Teatro Celeiro das Antas, foi professor de Direção Teatral no Departamento de Artes Cênicas da UnB, consultor técnico em Arte Educação da UNESCO atuando no Ministério do Meio Ambiente. Participou com seus trabalhos de festivais em vários estados do Brasil, Espanha, EUA, Portugal, Itália, Alemanha e Malta. Na sua formação de palhaço foi aluno de Carlos Tamanini.

A título de atualização, tem participado de cursos oferecidos por nomes como: dança: Graziela Rodrigues; Teatro: Eugênio Barba, Julia Varley, Antunes Filho, Luiz Carlos Vasconcelos, Roberto Mallet, Luiz Fugante; Palhaços: Hilary Chaplain, Leo Bassi, Leris Colombaioni, Grupo Lume, Márcio Libar e Ésio Magalhães; Bufão com Daniela Carmona.

Trabalhou na cidade de Berlim na Alemanha a convite da Companhia Working Party, dirigindo, roteirizando e atuando nos novos espetáculos cômicos da Companhia. Atualmente em Brasília dirigi e roteiriza o novo espetáculo Columpio da companhia Circo Rebote e está em cartaz com Alma de Peixe - Teatro para Bebês, primeira montagem do Núcleo de Pesquisa em Arte para Bebês do Celeiro das Antas, assinando roteiro, direção, cenário, figurinos e bonecos.

VER E ESCREVER COMENTÁRIO